Saltar para o conteúdo principal

Azambuja Terras do Torricado

Saboreie Azambuja, Saboreie o Torricado!


Facebook | Azambuja Terras Torricado

Instagram | Município de Azambuja


O pão, e o seu aproveitamento foi, desde sempre, um recurso utilizado pelas gentes locais. O «torricado» foi, no Concelho de Azambuja que nasceu, fazendo desde que há memória, parte dos hábitos gastronómicos, por isso somos: AZAMBUJA TERRAS DO TORRICADO.

Era nas manhãs de segunda-feira que os homens se juntavam nos largos onde se fazia a praça da jorna e seguiam para o trabalho. Não era mais do que arranjar patrão como jornaleiro, para toda a semana, pelo menos. Dado o habitual excesso da oferta de mão-de-obra agrícola, sorte daqueles que conseguiam um ambicionado contrato verbal, donde retiravam o sustento familiar, o chamado ganha-pão.

Os homens partiam de casa ao romper da aurora para só regressarem ao fim do dia do sábado seguinte. Levavam consigo a alfaia de trabalho ou somente mãos e braços, transportando no ombro o alforge com algum agasalho, com o pão cozido em casa e algum conduto, quando havia. Quando era possível, pernoitavam nos aposentos que o capataz ou o maioral lhes indicava, ou então em cabanas ou outros abrigos improvisados.

Trabalhando de sol a sol, quando o fim da semana se aproximava restava no alforge algum pão, pouco conduto, uns dentes de alho, uma lasca de bacalhau, além de um pouco de sal e azeite, levados em vasilhame artesanal, usando para este fim os chifres de um bezerro, pedidos no matadouro, com tampa em cortiça. O tempo e os recursos tinham aguçado a criatividade e ensinado um saber e um saber-fazer tradicional – Era o tempo e a hora do Torricado!

A arte da confeção é todo um ritual e todos os apetrechos em volta do mesmo são de uma genuinidade muito própria do Concelho de Azambuja. Todo o processo tem os seus segredos:

O corte do pão e a separação em cosquilhas; o retalhar do pão em losangos e a profundidade dos golpes; o esfregar do alho e o salpicar do sal que antigamente era em pedras. Por fim, a arte de aloirar e de esfregar o azeite com as mãos e, depois de voltar ao calor das brasas e aloirar mais um pouco, ouvi-lo assobiar.

Habitualmente come-se com bacalhau assado nas brasas, mas é comum ouvir-se dizer que: O Torricado come-se com tudo!

 

voltar ao topo