Saltar para o conteúdo principal

Qualidade do Ar

 
O Município de Azambuja procedeu, no final de setembro de 2020, à instalação de um serviço de monitorização da qualidade do ar, que irá percorrer todas as freguesias do concelho, ao longo de três anos. Recorde-se que, nesta fase do projeto , os locais escolhidos foram o Páteo Valverde (Azambuja), o Centro de Dia da Maçussa e a Escola e Jardim de Infância de Vale do Paraíso.
De referir que na fase inicial do projeto, os locais escolhidos foram a Escola Básica Vale Aveiras, a Escola Básica de Manique do Intendente e o Centro de Inspeções Automóveis da Zona Industrial Azambuja/Vila Nova da Rainha, seguindo-se o Parque oficinal Municipal, o Centro Escolar de Alcoentre e o Centro de Educação Ambiental de Azambuja (EB de Aveiras de Baixo).
De referir que esta monitorização pretende medir e avaliar a qualidade do ar, através dos parâmetros Monóxido de Carbono (CO), Óxidos de Azoto (NOx), Ozono (O3) e partículas em suspensão (PM10). Em simultâneo, são avaliados parâmetros meteorológicos como a temperatura, a pressão atmosférica, a humidade relativa, a precipitação, a direção e velocidade do vento e a radiação ultravioleta.
A duração de cada monitorização é semestral. A contratação deste serviço prevê novos locais para as três estações a cada 6 meses, totalizando dezoito locais de monotorização, ao final dos 3 anos do processo.
Paralelamente às estações fixas, são realizados semanalmente ensaios de acreditação recorrendo a uma estação móvel de monitorização. Estes ensaios confirmam os dados fornecidos pelas estações fixas e são realizados com o objetivo de caracterizar a qualidade do ar do Concelho de Azambuja, através da utilização de métodos de referência, assim como, servirem para base de comparação e validação dos dados medidos pelas estações de monitorização instaladas.
 
DADOS DE 2022

> Relatório de abril 

Em abril, no geral, obteve-se um índice de qualidade do ar, Bom ou Muito Bom nas estações colocadas no Centro de dia da Maçussa e na EB/JI de Vale do Paraíso. Na estação colocada no Páteo Valverde, obtiveram-se 17 dias com índice de qualidade do ar Médio, devido à concentração de ozono. Nos restantes dias do mês, nesta estação, o índice obtido foi Bom ou Muito Bom.

Partículas - PM10: A concentração média mensal de PM10 medida nas estacoes da rede de monitorização foi inferior a um quarto do valor limite para proteção da saúde humana (40 μg/m3).

Ozono: Não foram observadas excedências ao limiar de informação nem excedências ao valor máximo diário das médias octo-horarias em nenhumas das estacoes de monitorização da rede. As concentrações de ozono, observadas durante o mês de abril foram ligeiramente mais elevados do que nos meses de inverno, não tendo no entanto, atingido as concentrações típicas da primavera.

Dióxido de azoto: Não foram observadas excedências ao valor limite horário (200 μg/m3) em nenhuma das estacoes da Rede. A concentração media mensal de dióxido de azoto medida nas estacoes da Rede de Monitorização foi reduzida comparativamente com o valor limite para proteção da saúde humana (40 μg/m3).

Monóxido de carbono: A concentração máxima diária das médias de oito horas de monóxido de carbono medidas nas estacoes da Rede foram muito inferiores ao valor limite para proteção da saúde humana (10 mg/m3, máximo diário das médias de oito horas).

 

Em março, no geral, obteve-se um índice de qualidade do ar, Bom ou Muito Bom na maioria dos dias, no entanto, devido à ocorrência do evento de transporte de partículas do Norte de África, registaram-se dois dias em que o índice foi Fraco nas estações da Maçussa e de Vale do Paraíso devido à concentração de partículas PM10. Devido à concentração de partículas PM2,5 registou-se um dia com Índice Mau nas estações da Maçussa e de Vale do Paraíso, dois dias com índice Fraco na estação de Vale do Paraíso e um dia Fraco na estação da Maçussa.

Estações colocadas no Centro de dia da Maçussa, EB/JI de Vale do Paraíso e no Páteo Valverde.

Partículas - PM10: A concentração média mensal de PM10 medida nas estacoes da rede de monitorização foi inferior a metade do valor limite para proteção da saúde humana (40 μg/m3). No entanto, devido a um evento de transporte de poeiras do Norte de África, registado nos dias 15 e 16, verificaram-se concentrações elevadas no Concelho. Foram registadas excedências ao valor limite diário na estação localizada no Centro de Dia da Macussa e na estação localizada no Jardim de Infância de Vale do Paraíso. Devido a um problema técnico, a estação localizada no Páteo de Valverde não recolheu dados durante o dia 15 e parte do dia 16 de março

Ozono: Não foram observadas excedências ao limiar de informação nem excedências ao valor máximo diário das médias octo-horarias em nenhumas das estacoes de monitorização da rede. As concentrações de ozono, observadas durante o mês de marco de 2022, são típicas da época do ano em que a radiação solar e a temperatura são reduzidas e consequentemente a formação de ozono também e reduzida.

Dióxido de azoto: Não foram observadas excedências ao valor limite horário (200 μg/m3) em nenhuma das estacoes da Rede. A concentração media mensal de dióxido de azoto medida nas estacoes da Rede de Monitorização foi reduzida comparativamente com o valor limite para proteção da saúde humana (40 μg/m3).

Monóxido de carbono: A concentração máxima diária das médias de oito horas de monóxido de carbono medidas nas estacoes da Rede foram muito inferiores ao valor limite para proteção da saúde humana (10 mg/m3, máximo diário das médias de oito horas).

 

Em fevereiro, obteve-se um índice de qualidade do ar Bom ou Muito Bom na generalidade dos dias, registando-se na estação da Maçussa, um dia em que o índice foi Médio devido à concentração de partículas PM 10, quatro dias em que o índice foi Médio e um dia Fraco devido à concentração de partículas PM 2,5 estação da Maçussa e de Vale do Paraíso

Estações colocadas no Centro de dia da Maçussa, EB/JI de Vale do Paraíso e no Páteo Valverde.

Partículas - PM10: No mês de fevereiro de 2022 não foram observadas excedências ao valor limite diário, em nenhuma das estacoes da rede. A estacão localizada no Páteo de Valverde apresentou problemas na determinação de PM10 e como tal não foi considerada na análise mensal.

Ozono: Não foram observadas excedências ao limiar de informação nem excedências ao valor máximo diário das medias octo-horarias em nenhumas das estacoes de monitorização da Rede. As concentrações de ozono, observadas são típicas da época do ano em que a radiação solar e a temperatura são reduzidas e consequentemente a formação de ozono também é reduzida.

Dióxido de azoto: Não foram observadas excedências ao valor limite horário (200 μg/m3) em nenhuma das estacoes da Rede. A concentração media mensal de dióxido de azoto medida nas estacoes da Rede de Monitorização foi reduzida comparativamente com o valor limite para proteção da saúde humana (40 μg/m3).

Monóxido de carbono: A concentração máxima diária das médias de oito horas de monóxido de carbono medidas nas estacoes da Rede foram muito inferiores ao valor limite para proteção da saúde humana (10 mg/m3, máximo diário das médias de oito horas).

 

Em janeiro, no geral, obteve-se um índice de qualidade do ar, Bom ou Muito Bom na maioria dos dias, registando-se apenas dois dias em que o índice foi Médio nas estações da Maçussa e de Vale do Paraíso devido à concentração de partículas PM2,5 e outro dia em que o índice foi Médio devido à concentração de ozono na estação de Vale do Paraíso.

Estações colocadas no Centro de Dia da Maçussa, EB/JI de Vale do Paraíso e no Páteo Valverde.

Partículas - PM10: Não foram registadas excedências ao valor limite diário, em nenhuma das estações, no entanto, como a estação colocada no Páteo Valverde apresentou problemas na determinação PM10, não foi considerada na análise mensal.

Ozono: Não foram observadas excedências ao limiar de informação nem excedências ao valor máximo diário das medias octo-horarias em nenhumas das estacoes de monitorização da Rede.

Dióxido de azoto: Não foram observadas excedências ao valor limite horário (200 μg/m3) em nenhuma das estacoes da Rede. A concentração media mensal de dióxido de azoto medida nas estacoes da Rede de Monitorização foi reduzida comparativamente com o valor limite para proteção da saúde humana (40 μg/m3).

Monóxido de carbono: A concentração máxima diária das médias de oito horas de monóxido de carbono medidas nas estacoes da Rede foram muito inferiores ao valor limite para proteção da saúde humana (10 mg/m3, máximo diário das médias de oito horas).

 

DADOS DE 2021

 
DADOS DE 2020

 
NOTÍCIAS
voltar ao topo